Vida Acadêmica

13 tipos de pesquisa científica que podem ser feitos na faculdade

Escrito por: Estéfane Padilha

Todo estudo procura respostas para algum tema, produzindo assim novos conhecimentos. Algumas parecem fáceis de serem encontradas em livros, outras precisam que a teoria seja testada na prática. Para cada especificidade há diversos tipos de pesquisas científicas que auxiliam na hora de encontrar o resultado buscado.

Ao longo da vida acadêmica será constante a demanda desses trabalhos. Muitos ficam restritos à universidade. No fim, realizar estudos trará benefícios para a vida do aluno, que terá recolhido importantes informações que servirão de ideias e referências para o projeto final do curso, o famoso TCC.

Indo mais além, outros se aventuram e partem para iniciação científica, o que traz novas perspectivas sobre o mercado de trabalho, pois pode colocar o estudante em contato com profissionais já experientes de uma determinada área, além de somar alguns pontos no currículo.

Seja qual for a sua escolha, será importante dominar os métodos para realizar uma pesquisa científica. E é por isso que estamos aqui: para detalhar melhor cada uma. Agora é só seguir com a leitura. Esperamos que goste!

  • Pesquisa quantitativa

Os resultados buscados precisam ser traduzidos em números, uma característica que diferencia o modelo quantitativo de outros tipos de pesquisas científicas. Aqui se faz uso de técnicas de porcentagem e média, afinal sempre é realizado um estudo com uma amostragem que representa o todo, já que seria impossível coletar dados com membros de uma população inteira, por exemplo.

Os melhores métodos quantitativos são desenvolvidos através de perguntas fechadas, pois elas exigem respostas diretas, que podem ser apresentadas em tabelas e gráficos, divididos em aspectos como sexo, idade, classe econômica, profissão e nível de escolaridade.

  • Pesquisa qualitativa

A análise dos dados recolhidos se faz de forma mais indutiva, pois não se usam técnicas de estatísticas. Portanto, as perguntas aos entrevistados podem ser mais subjetivas, visando compreender níveis de satisfação e desempenho, por exemplo. Há a possibilidade de atrelar uma pesquisa qualitativa a uma quantitativa, na chamada quali-quanti.

  • Pesquisa Teórica

Talvez os artigos científicos sejam o tipo mais comum de pesquisa teórica. A regra para este modelo é que o estudo realizado deve sempre estar pautado em uma teoria conhecida. Não é preciso uma nova coleta de dados, por exemplo, mas a interpretação de um resultado já fornecido, para comprová-lo ou mostrar se houve algum erro ou mudança nos fatores e, então, apontar o caminho correto.

  • Pesquisa de campo

Dentre tantos tipos de pesquisas científicas, este é conhecido ainda na  escola e se caracteriza pela análise de fenômenos em determinado ambiente. Os pesquisadores vão até um local específico que será estudado e acompanham como a sociedade se desenvolve. Após uma experiência prática, é preciso fazer uso de fundamentação teórica para resolver a solução proposta.

  • Pesquisa empírica

A ideia aqui é testar diversas vezes um experimento e analisar as relações de causa e efeito. É preciso estar ciente que uma hipótese precisará de várias tentativas e erros até que se chegue ao resultado esperado. Ou talvez não se alcance o objetivo inicial e, sim, algo novo e inesperado, o que também é válido.

  • Pesquisa laboratorial

Ao contrário da empírica, a pesquisa laboratorial busca diminuir as margens de erros e controla o ambiente em que o estudo será realizado. Na maioria das vezes, tal espaço é um laboratório fechado, mas há também a possibilidade de que o projeto seja conduzido em locais abertos ou artificiais. O importante é que os cientistas possam comandar o perímetro em que se é observada a experiência.

  • Pesquisa básica

Conhecida também como pesquisa pura, aqui será produzido conhecimento apenas para fomentar a ciência, sem uma busca por resultados e análises específicos. É o que acontece muitas vezes nas universidades, quando não há possibilidade de bolsas de estudo para projetos, por exemplo, mas professores e alunos desenvolvem ideias mesmo assim.

  • Pesquisa aplicada

Quando há o objetivo de colocar o resultado em prática e resolver problemas específicos, os estudiosos devem realizar uma pesquisa aplicada. Aqui pode-se desenvolver as descobertas de uma pesquisa pura e direcioná-las para situações econômicas e sociais.

Os procedimentos de investigação devem ser planejados em curto ou médio prazo e muitas vezes há instituições financiando o projeto. Um exemplo simples é quando uma empresa procura saber os anseios de determinado público e em um lugar específico antes de começar um negócio.

  • Pesquisa bibliográfica

Aqui é realizada uma investigação de materiais publicados, como livros, artigos, periódicos e também internet. Neste último caso, é preciso ter cuidado com o que é disponibilizado na rede, pois nem tudo é confiável e o pesquisador tem que atentar para situações de plágio – mas não se preocupe! Nós temos uma dica com os melhores sites para achar artigos científicos para referências.

  • Pesquisa explicativa

Geralmente este projeto dá continuidade a outros tipos de pesquisas científicas, buscando aprofundar conhecimentos e explicar as causas de problemas descobertos anteriormente, unificando teorias e criando uma lei geral. Para isso, o cientista deve ter cautela para realizar uma interpretação correta dos fatos existentes.

  • Pesquisa descritiva

Aqui haverá uma análise criteriosa dos dados obtidos, em sua maioria na forma quantitativa, sem interferência do pesquisador. Só após a coleta é que determinado fenômeno será interpretado de acordo com os números coletados no processo. Geralmente, este modelo de trabalho aborda temas já conhecidos e apenas os aprofunda.

  • Pesquisa exploratória

Quem parte para este caminho, pretende conhecer melhor um assunto e formular novas hipóteses. É preciso uma base bibliográfica para começar, mas aqui a intuição ajuda a guiar o processo de descoberta. Um exemplo comum são estudos de caso, com assuntos pouco conhecidos.

  • Pesquisa documental

Assim como a pesquisa bibliográfica, a documental irá utilizar materiais já existentes. A diferença é que no lugar de livros ou artigos, como o que acontece em outros tipos de pesquisas científicas, o estudo aqui se dá a partir de documentos, como registros dos alunos de uma escola. Estes materiais geralmente não foram analisados e servem para um objetivo específico, como fazer um histórico em uma instituição.

Semelhanças entre os tipos de pesquisas científicas

Fato é que independentemente do modelo escolhido, o caminho para planejar o trabalho será o mesmo. Comece com a escolha do tema, justificativa da importância do mesmo, formulação do problema e possíveis objetivos a serem encontrados.

Não esqueça de uma revisão literária de materiais que podem ajudá-lo teoricamente. E organize estes fatores iniciais na sua metodologia. Com este pré-projeto definido, é a hora de partir para a ação: coleta de dados, análise, discussão e conclusão. O resultado, além de escrito, precisa, muitas vezes, ser apresentado a uma banca julgadora.

São diversas possibilidades, não é? Agora que você sabe da existência de tantos meios de fazer sua pesquisa, nós te ajudamos também na hora de escrever seu trabalho científico, basta conferir o nosso e-book. Aproveite, é gratuito!

Quer saber como escrever trabalhos científicos?

Neste e-book, são mostrados os principais aspectos que devem ser levados em consideração na produção de um artigo científico

Baixar e-book
Estéfane Padilha

Estéfane Padilha

Jornalista e colaboradora do Doity Team. Mora em Colônia, na Alemanha, onde estuda, trabalha e é voluntária no FC Köln, clube de futebol da cidade

Artigos Relacionados

Deixe seu comentário

Newsletter

Entre para a nossa lista exclusiva e aprenda com os melhores conteúdos