Vida Acadêmica

Qual a importância da iniciação científica para sua carreira?

Escrito por: DoityTeam

Pesquisar, ministrar palestras, ser orientador ou professor: essas são algumas opções de atuação da área acadêmica e o sonho de muitos estudantes. Todavia, poucos sabem por onde começar para seguir esse caminho. Você sabia que o start para a área acadêmica pode começar logo na faculdade por meio da Iniciação Cientifica?

Afinal, a Iniciação Científica faz com que o aluno tenha contato com o universo acadêmico, enriqueça o currículo lattes, contribua com a pesquisa e a ciência na universidade, além de manter contato mais próximo com professores que pode te ajudar a iniciar uma carreira acadêmica, como um mestrado ou doutorado, por exemplo.

Aliás, estimativas do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações apontam que os alunos que fazem iniciação durante a graduação têm 2,2 vezes mais chances de completar um mestrado. Confira o artigo de hoje e saiba mais sobre o assunto!

O que é uma Iniciação Científica?

É um programa de graduação que coloca os alunos em contato com grupos e linhas de pesquisas. Seu objetivo é proporcionar ao aluno uma orientação com pesquisadores experientes e promover o aprendizado de técnicas e métodos científicos. Além disso, também visa estimular o desenvolvimento do pensamento científico e da criatividade.

Quais são as vantagens de fazer uma Iniciação Científica?

Engane-se quem pensou que o programa só ajuda a iniciar a vida acadêmica. Existem várias outras vantagens que devem ser levadas em consideração. Confira algumas delas!

Preparação para o TCC

Participar da iniciação é uma excelente maneira de fazer a preparação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Afinal, o programa permite que o aluno tenha contato com novas teorias, aprenda a desenvolver técnicas de pesquisas e consiga produzir um artigo seguindo as normas da Associação Brasileiras de Normas Técnicas (ABNT).

Ademais, muitos alunos utilizam o projeto da iniciação como tema para o trabalho de conclusão, já que a pesquisa foi iniciada e há familiaridade com o assunto.

Desenvolvimento pessoal e profissional

Produzir uma pesquisa também é uma excelente maneira de promover desenvolvimento pessoal e profissional. Como isso é possível? Simples. Ela fará com que o aluno tenha pensamentos mais críticos e isso certamente impactará nas duas esferas de sua vida.

Ademais, a pesquisa fará com que o aluno tenha contato com outros profissionais que atuam na academia e isso é uma ótima oportunidade de promover networking.

Experiência

Outra vantagem que deve ser levada em consideração por quem ainda está em dúvida sobre iniciar o programa é que ele proporcionará uma experiência a mais para o currículo comum e Lattes. Como mencionamos, uma Iniciação Científica no currículo Lattes vale pontos em muitos programas de mestrado.

Como elaborar um projeto de Iniciação Científica?

A construção de qualquer coisa exige um projeto para minimizar riscos e aumentar as chances de sucesso. Na Iniciação Científica isso também é necessário. É importante que o aluno crie um projeto para entender o tema e compreender se ele realmente condiz com a realidade.

Antes de iniciar o projeto, é importante fazer alguns questionamentos como “por que estou realizando a pesquisa?”, “o que precisarei para realizar essa pesquisa?”, “tenho afinidade com o tema?” e “qual é a melhor maneira de viabilizar a pesquisa?”. Com as repostas, é hora de começar a produzir o projeto. Saiba como a seguir!

Delimitação do problema

No livro “Manual de Métodos e Técnicas de Pesquisa”, o autor Santos explica que “de modo geral, o cientista inicia o processo de pesquisa com a escolha de um tema de pesquisa, que, por si só, não constitui um problema de pesquisa”.

Segundo o autor, “ao formular perguntas sobre o tema, provoca-se sua problematização. Portanto, a maneira mais fácil e direta de formular um problema de pesquisa é elaborar uma pergunta sobre determinado tema”.
Nesse sentido, a etapa de delimitação do problema é o momento de problematizar o tema da pesquisa. As perguntas são fundamentais para entender quais serão os objetivos dela. Alguns questionamentos fundamentais são: “como o fenômeno ocorre?”, “como o que o fenômeno está associado?” e “o que interfere nesse fenômeno?”.

Formulação da hipótese

Já com as perguntas, é hora de começar a formular as hipóteses — lembrando que elas consistem em respostas prévias. Dessa forma, a resposta será embasada com argumentos ainda não testados e sua veracidade será confirmada após a conclusão da pesquisa.

Coleta de dados

A coleta de dados é a parte essencial para confirmar ou refutar a veracidade das hipóteses. Nesse momento, é essencial que o pesquisador seja parcial e que suas convicções não interfiram no processo.

A coleta de dados pode ser realizada de diversas formas: pesquisa de campo, pesquisa online, entrevistas, leitura de autores renomados e por meio de dados de pesquisas de órgãos oficiais.

Análise e interpretação

É importante destacar que o pesquisador precisa ser imparcial. Principalmente para realizar a análise e a interpretação dos dados. Afinal, nessa fase há a comprovação — ou não — dos argumentos estabelecidos no início da pesquisa. Aqui ele precisará identificar o que os dados mostram, fazer uma interpretação e chegar a uma conclusão.

Reta final: o que fazer após a conclusão do projeto?

Após o planejamento e a redação, o aluno deve submeter o projeto ao edital da faculdade. Geralmente, o edital de Iniciação Científica abre anualmente. Por isso, é importante ficar de olho nas datas. Com a abertura do edital, é só encontrar um orientador e realizar a inscrição.

Após a aprovação, o aluno pode, por exemplo, submeter seu projeto às bolsas de Iniciação Científica para conseguir ajuda de custo para prosseguir com a pesquisa.

Atualmente, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) oferecem bolsas regularmente e são os mais famosos entre os pesquisadores. Para conseguir uma bolsa é necessário conversar com o orientador e ficar atento ao lançamento dos editais.

Por fim, basta seguir todos os passos citados neste artigo para otimizar as suas chances de ser aprovado em um programa de Iniciação Científica. Siga as coordenadas do seu orientador e o seu sucesso será garantido.

E então? Você ainda tem dúvidas sobre a Iniciação Científica? Deixe um comentário aqui! Teremos o maior prazer em ajudá-lo!

DoityTeam

DoityTeam

Somos produtores de conteúdo apaixonados por eventos, vida acadêmica, marketing, vendas, tecnologia e por compartilhar experiências e conhecimento

Artigos Relacionados

Deixe seu comentário

Newsletter

Entre para a nossa lista exclusiva e aprenda com os melhores conteúdos